21 de abril de 2008

A única certeza que tenho é que preciso enlouquecer.



Já não tem sentido. Nada. Nem os valores, nem as regras, nem os instintos. Nem os planos para um futuro, que o mundo insiste em matar. Nada.

Ahh... Silêncio! Me deixem dormir... Dormir pra que venha o alívio. Pra que esse nó na garganta suma. Pra que tudo suma. Pra que eu não incomode mais ninguém... Pra que eu não precise gritar... Pra que eu consiga chorar no silêncio de um mundo só meu...

No meu mundo há uma guerra... Uma guerra silenciosa, lenta... Cujas estratégias estão sendo traçadas há muito tempo...

Um cavalo de tróia, que eu mesma construí, e que aos poucos vai me vencer.. Esgotar minhas forças, me fazer desistir da luta... Um cavalo de Madeira, aparentemente simbolo da redenção de meu adversário, que aos poucos passa pela barreira do meu "invulnerável" otimismo. Do qual sairão os soldados que derrubarão minha fortaleza.

E o mundo? O mundo não poderá fazer nada. Serei eu, contra mim mesma. E não haverá vitória.

2 comentários:

cleiton disse...

bem, espero que tudo que eu disse façao algum sentido perante a isso, nao fique triste ou faça loucuras a toa..
te amo muito, e estou aqui a qualquer momento que precisar, te amo!

Juliana Caribé disse...

Essa guerra aí, de você com você mesma, precisa ser travada. Mas eu não concordo que não haverá vitória. Cada vez que você for morta e ressurgir mais forte, já é uma enorme conquista.

Beijinhos.

Postar um comentário

Anote aí.