16 de maio de 2008

Lúcia e César - Parte I

A tarde estava agradável, o Sol estava baixo, tornando o lago um enorme borrão alaranjado.
Lúcia estava deitada na grama, com os braços atrás da cabeça, apoiados numa pedra. Ela sorria, de olhos fechados. Ao seu lado, com um livro nas mãos, estava César, sentado com as costas apoiadas no tronco da imensa laranjeira em flor. Ela o olhou. Estava tão entretido lendo, que Lúcia sentiu-se incomodada. Fez uma careta e jogou a longa trança suja de folhas para trás, antes de arrancar o livro das mãos dele.
- Ei ! Eu estava lendo!
- Eu sei. Se não estivesse, eu não teria que tirar esse livro chato da sua mão... Cansei de dormir!Vamos conversar?
César cruzou os braços.
-E conversar sobre o que, hein?
Lúcia sorriu com toda a jovialidade de seus 12 anos.
-César... Como você imagina o seu primeiro beijo?
Ele ficou incrivelmente vermelho e desviou os olhos.
- Ah, vai... Não seja chato! Eu te conto o meu! Eu quero que o meu seja no alto de uma montanha russa!! Imagina? O Frio na barriga, beijo... Deve ser otimo! E o seu, como quer que seja??
Ela sorria radiante. A trança mal feita sendo balançada pelo vento, o rosto cheio de sardas pequenas escuro, pois ela estava contra o Sol.
- Não consigo falar com você me olhando assim!
- Tá bom.. Eu te ajudo!
Lúcia chegou muito perto dele. Centímetros apenas. César fechou os punhos e se encolheu contra a àrvore. Ela riu.
-Calma...Não vou te morder!
Lúcia tapou os olhos dele com uma mão.
-Finja que eu não estou aqui. Imagine o seu primeiro beijo. Agora... Me diz o que está vendo.
Escuro, era isso que ele via. Por mais que tentasse, a mão de Lúcia sobre seus olhos era real demais, assim como a respiração curta e agitada dela. Aos poucos começou a falar:
- Um fim de tarde. Não haveria mais ninguém, só eu e ela. Estaria um tempo bom... Nem frio, nem calor. Por algum motivo, termináriamos muito perto um do outro. Teria uma árvore... Dessas bem grandes! Cheia de flores, bem acima de nossas cabeças. E, um pouco antes do beijo, o vento ia fazer algumas dessas flores caírem. Eu ia olhar pra ela, e ia ver o cabelo balançando, no mesmo ritmo das flores e folhas caindo. O Sol ia estar deixando tudo laranja e rosa. E então, nos aproximariamos devagar, com medo do momento acabar se tivessemos movimentos bruscos. Aí eu ia olhar nos olhos dela. E ela ia olhar nos meus. E então... Nos beijaríamos.
A mão de Lúcia caiu lentamente. Havia uma expressão de surpresa no rosto dela.Ela assustou-se ao ver o cenário que havia acabado de decrever. E viu Lúcia, muito de perto. Ela abriu a boca e ele fez menção de se aproximar. Ela no entanto, foi mais rápida e venceu um pouco da distância. Em seguida, disse:
- Você está ficando sentimental. Precisa parar de ler!
César ficou vermelho, mas quando Lúcia sorriu, ele sentiu vontade de rir também. Quando os risos pararam, veio o silêncio. E o soriso dela se desfez aos poucos. César arpoximou-se um pouco. Lúcia venceu mais alguns centímetros. César ergueu uma das mãos, mas antes que tocasse o rosto dela, Lúcia virou o rosto, e se levantou, bruscamente, antes que ele pudesse protestar.
Fugiu, um pouco corada, deixando um "Preciso ir" no ar. No ar também ficou o aroma dos cabelos dela.
César sorriu o sorriso mais sincero de sua vida.

4 comentários:

Aline disse...

Reclamar? Não tenho motivos não... adorei sua visita.
Mas que conto mais lindo, tão infantil, tão doce. Lindo. Mesmo.
Linkei você também.
E assim vamos, de mãozinhas dadas.

Um beijo

JOICE WORM disse...

Aline... Que menina mais provocadora. Eu já estava daqui a suspirar pelo beijo e depois... nada. "Tenho que ir". Pode? Coitado do Cézar. Agora vai se preparar melhor para amanhã. Quero a parte 2.

Um Sonhador disse...

um beijo, me de um beijo, eu imploro, meu grande amigo, que seria o amor.

Ai Deus, como é maravilhoso estar perto dele, todos pensamos assim, temos aquele que parece nosso amigo infantil, mas sabendo que temos um grande amor, que fica ali por muito tempo, sem saber o que é, e quando crescemos, enchergamos que o amor estava ali do lado.
No caso do Cesar, que ja estava prestes a ter seu primeiro beijo ali, pela lúcia, uma menina muito amavel, e que sabia ser romântica, o clima ajudou bastante, mas ali estava, os dois, prestes a sentirem a magia, que é o primeiro beijo.
Não importa quando e como ou onde, o primeiro beijo, é sempre marcado, pela magia de ser o primeiro, aquele beijo que nunca volta, mesmo estando sempre apaixonado, amando sempre, o primeiro, é o marcante o saboroso, o mais perfeito de todos.
Os beijos são otimos, mas faz tempo que não sinto meus labios encostarem em outro, e delirar ao extremo com um beijo, espero que isso nao dure tanto tempo mais...


Zuação:

Cara ta de parabens em guriazinha, cada dia tu ta me surpreendendo mais em, caraca, to muito feliz mesmo de poder te conhecer, baixinha com 16 anos, teimosa, e muito inteligente, linda linda linda...

auiashduhadiuosahduia

guria, grande bjooooooo ;*

DESCULPE NÃO TER TE RESPONDIDO NO MSN.. EU TAVA ESCREVENDO AQUI E NAO DEU PRA ME DESPEDIR UISAHDIUAOHDIUSAHDOISUAHDIOUSAHIDUASHIUD

MERDA ;)

BJS FUI BOM FINAL DE SEMANA PRA TI

Mary disse...

Que lindinho!!!
Visualizei a cena... um encanto!
Bem vinda ao meu blog!
Volte sempre que quiser, tá?
Beijos.

Postar um comentário

Anote aí.