19 de maio de 2008

Lúcia e César- Parte II


- Idiota. É isso que você é. E nem adianta fazer essa cara. A culpa é toda sua, e você sabe disso.


Lúcia estava sozinha em seu apartamento, falando em frente ao espelho. Refletida estava aquela mulher de quase 25 anos, bonita e inteligente. Naquele momento, a maquiagem estava espalhada por todo o rosto, e os olhos castanhos claros estava vermelhos e inchados.


- Nem sei por que você está chorando! Você é que procurou isso. Eu disse! Se envolver com todos esses homens... E ainda mais com esse último, casado! Era obvio que um dia você se apaixonaria por um deles. Mas alguém me ouviu? Não! A senhorita “eu-faço-e-aconteço”, “eu mando no meu coração” decidiu arriscar... Bem feito!


Lúcia ainda ouvia claramente as palavras de Caio. “É a minha família... Ela é mãe dos meus filhos”. Claro, claro. Sabia disso desde o inicio. E iria se recuperar.


Começou a organizar raivosamente seu apartamento em constante confusão. Era isso que sempre fizera, durante toda a vida, confusão. Desde que se entendia por gente, desde que saíra daquela cidade no fim do mundo e fora fazer sua vida longe dali. Ignorava os próprios sentimentos pra mostrar-se firme e analítica. E começaria pela organização daquele lugar.
Ao mover uma das caixas no alto do guarda roupas, desequilibrou-se e soltou um palavrão em voz baixa. O conteúdo se espalhou pelo chão. Ela começou, reclamando baixinho, a jogar de volta tudo o que tinha caído. Deteve-se numa foto.


Era César. Naquela foto estava no alto de seus 17 anos, com os mesmo óculos de sempre, com o mesmo sorriso tímido. Lembrou-se de toda a sua infância, de uma certa tarde nos pés de uma laranjeira... Depois se lembrou com pesar de que renunciara a tudo aquilo. Reviveu a despedida na estação de trem, da promessa um tanto infantil que Cesar fizera, de que um dia se encontrariam e se casariam. Mas a vida havia os separado. Nunca se encontrariam de novo, e ela já nem tinha certeza se chegaria a se casar com alguém um dia.


Uma nostalgia tomou conta dela. E se tivesse desistido de ir pra cidade grande? Se tivesse ficado lá, e vivido tudo que uma interiorana qualquer vive? Talvez, a essa altura, estivesse cheia de filhos, e teria um mínimo senso de culinária. Soltou uma gargalhada com um quê de desespero, de saudade pela vida que não viveu. Quando notou aquela lágrima no rosto, cogitou a possibilidade de ser tudo culpa do rompimento que sofrera. E se surpreendeu a notar que subitamente, Caio perdera a importância. Levantou-se disposta a encontrar o antigo telefone de César.





César acordou com uma voz rude lhe dizendo que ele havia chegado. Ele agradeceu, com o mesmo sorriso que carregava desde sempre. Desceu do ônibus e olhou pra rodoviária. Uma multidão caminhava apressada, para ambas as direções. Ele respirou fundo e, mesmo sabendo que não seria fácil, rumou em busca de Lúcia. Precisava saber se ela ainda estava disposta a aceitar uma antiga promessa.

9 comentários:

gordokamikaze disse...

wow, mais um texto bem maduro e interessante..
eu me orgulho de ter uma namorada assim tão criativa e talentosa (sou bem suspeito pra falar, hehe)
morram de inveja, só eu tenho um texto dela com mais de tres pagina, hehehehe
TE AMO ALINE!
beijos!

Nobre Epígono disse...

Nossa... Isso acontece com alguns lordes e princesas assanhadinhas. Perdão pelo adjetivo aqui nas suas Notas Noturnas.

Paixões? Bem, paixões são um perigo para alguém já amado, se é que me entende. Não entende? Ah...

Bem, adorei a história da Lúcia e do César. Tanto a parte I, quanto a II.

Beijo e boa noite!

=)

Menina Bonita. disse...

Ai ai (:
Essa história de Lúcia e Cesar está cada vez melhor.Em agumas partes até me atrevo a me ver um pouco em Lúcia e relembrar coisas vividas,e aquelas promessas feitas que vivemos a nos perguntar 'será que vai realmente acontecer?'

Obrigada pelo comentário no meu blog,adorei ;)


Está linkada tbm ^^'

•Cah disse...

aaaaaaaaa ameiii querida o texto é muitoo criativo! =]


estou indo postar coisa novas eim
hahaha é que hoje vou mudar a cara do meu blog então preciso de um tempinho! ; )

♥ Camila disse...

Muitoooo obrigada pelas palavras ditas! =]
Fico feliz ao saber que nem todos são uns ignorantes !hahha

Ah obrigada pelo elogio! ;) Eu enjoo muito fácil das coisas então eu fico mudando sempre o meu blog! hahaha
beijinho

a clara menina Clara disse...

engraçado como o "se" mexe com a vida da gente né?

beijo!

Aline disse...

Ah.... que lindo.
Parabéns.

Patrícia disse...

Lindo, lindo, lindo...
Tocante esse texto, tanto a parte I quanto a parte II!
Cheguei a me ver na Lucia da II parte...
Idas e vindas... essa é nossa vida!
Beijos

Antonio Sávio disse...

Parab´´ens pelo texto. Muito bom mesmo.

Postar um comentário

Anote aí.