30 de junho de 2009

...

E tudo aquilo lhe doía demais o coração, tudo aquilo machucava-lhe a alma e lhe provocava lágrimas. Era dificil demais, pesado demais. Sobretudo para ela, tão sensível, tão vulnerável.
Cada mínima dor alheia lhe doía também. Cada lágrima de outro que caía lhe provocava outras muitas. Uma dor imensa causada pelas pequenas dores das pessoas com quem se importava.
Nunca ficava com mágoas. Sempre perdoava de imediado, por mais que doesse. Era outra dessas suas caracteristicas. Ignorar as próprias feridas, consumir-se em nome do outro.
Sempre havia sido assim. Achava que ia acabar por acostumar-se, que o tempo que, diz-se, cura tudo, cedo ou tarde lhe trataria as dores.
Mas não. O tempo, obviamente, tinha coisas mais importantes a fazer. E era parte dela essa sensibilidade extrema. Parte irreversível de si própria que se preocupasse com tudo e com todos, que se anulasse em nome da felicidade alheia.
Ela convenceu-se de que sempre vai ser assim.
Demasiadamente humana, para sempre.

10 comentários:

Ni ... disse...

Encontrei-me aqui, como sempre...

Beijo e mais beijos...

gabyzinhastar disse...

Nuss, esse texto me fez lembrar de uma pessoa "Eu mesma".

Beijos

Izabela disse...

Me encontro. Meu beijo!

sobrefatalismos disse...

Somos todos demasiadamente humanos. é um fardo, querida, principalmente para nós, amadoras escritoras...

André disse...

É essa tua bondade e sensibilidade que te torna ainda mais encantadora, Line! Nao se trata de se anular pelo outro... quem te faz fazer isso certamente nao sabe as coisas boas que voce tem dentro de si, se soubesse, jamais te faria anular!

^^

gabriela m. disse...

delicadeza.


beijo, flor :*

Felipe Braga disse...

Ah, como disseram acima, também encontrei-me aqui. Por várias vezes, também me sinto vulnerável.
Conversar com a lua sempre é a minha solução.

Nasca disse...

doando-se.

arrancar sorrisos é mesmo algo lindo
fico com a sensação que somos assim, sempre do outro e pro outro, e nós .. bom deixa pra lá :*

Bianca Guimarães disse...

Gostei daqui, bjs.

Hosana Lemos disse...

"Sempre perdoava de imediado, por mais que doesse."

Tenho disso, não sei se é mais pra aqulidade ou defeito...os dois?

Lindooo

Postar um comentário

Anote aí.