6 de julho de 2009

DeCoração

Meu Coração saiu da caixinha onde eu o havia escondido. Foi praticamente roubado de mim, na verdade... Fugiu sem que eu percebesse, de tão sutil que foi. Saiu da caixa a correu atrás do novo, tal como criança que sai, porta afora, perseguindo borboletas! Quando eu o encontrei, ele estava lá, sorrindo, sonhando, pulsando. Estava tão feliz que eu me recusei a interrompe-lo. Observei meio de longe, encantada com a quantidade de ternura, de amor, de sonho que havia nele agora. Tinha até me esquecido tudo que ele era capaz de sentir...! Mas eu, por alguma realidade má que me ocorreu, tomei-o entre minhas mãos. Ele, meio lacrimoso, meio sentido comigo, debateu-se um pouco, mas logo voltou a ser passivo como sempre, respeitou-me a opinião. Eu lhe disse que tudo ficaria bem, e disse em voz alta, porque também precisava me convencer. Ele não acreditou, e, confesso, nem eu. Mas ambos concordamos. Forrei a caixinha, tentando deixá-la mais confortável. Dei uma ou duas mãos de tinta, colei uns adesivos coloridos para fingir que era um lugar diferente. Talvez se tornasse melhor, ou talvez não. Meu Coração, eu sabia, era forte. E mesmo machucado, ele iria se adaptar, não duvido. Iria aprender a conviver com uma nova cicatriz, como sempre fazia.
Mas no fundo, eu temia que ele não conseguisse mais. Nunca o corte havia sido tão profundo... Talvez demorasse demais a cicatrizar. E talvez, antes de curar completamente, ele já tivesse fugido da caixa outra vez. E se ele fugisse de novo, eu já nao teria forças de voltar a prendê-lo. Não seria justo.
Fechei a tampa da caixa, e percebi que ele chorava em silencio. Ele, eu sabia, não entendia por que eu o forçava daquele modo, por que ele não podia ser livre e sorrir com os outros corações. Mas ele, sempre compreensivo, me perdoava. Tentava entender, e mesmo sem conseguir, me aceitava. Logo ele se acalmaria e dormiria tranquilo na caixinha de sempre.
Ou, pelo menos, eu assim esperava.

---

Assuntos se repetem por aqui. Volto quando a inspiração voltar.

7 comentários:

Felipe Braga disse...

Esse coração aí é extremamente passional! Por isso, faça sempre o que ele mandar, ok?

Camila disse...

Voce? precisando de inspiração? Ahh não nos abandone hahahahha

Edward é um nome dos caras charmoosos né! haha o mãos de tesoura era um amor também!

bjo

Hosana Lemos disse...

"E mesmo machucado, ele iria se adaptar, não duvido."

repito isso todo dia...acredito fielmente que é verdade!!

lindo

Iris Gimaiel disse...

Que lindo esse texto! *-*
Parece que foi tirado de livros..
Parabéns! o/

Beeijos!

gabriela m. disse...

Que coisa bonita. Honesta. Fluiu.
Também escrevi sobre corações*

~

troquei de link mesmo :D
beijo.

ℓiiα, ♥ disse...

Liiindo texto *-*
Você mudou o lay! Gostei dele.

beijos.

Ana Carolina et al disse...

mocinha doce...olha que eu tento ajudar esse coração mas ele é meio teimoooosooo
xD
saudadonas

Postar um comentário

Anote aí.