15 de julho de 2009

Encasular

É que, de tempo em tempo, a gente se sente um tanto lagarta e volta pro casulo.
E eu, borboleta feita encolho as asinhas murchas, me dobro toda, me escondo por um tempo. Melhor é se sentir lagarta do que borboleta de asinha murcha... e como.
Asa murcha, pois sim. De quê me vale?
Lagarta sim, pode sonhar, fazer casulo e sonhar com o dia em que terá asas.
E eu prefiro assim.
Refazer casulo, refazer minhas asas.
Refazer planos, sonhos.
Repensar a vida.

---

Texto dos meus preferidos, retirado do arquivo do blog de outra Aline, do Meio Lá Lá Lá. Vale o clique!

7 comentários:

Eloisa disse...

Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã. Assim dizia Victor Hugo! (=

gabriela m. disse...

Vale um sonho, né?

Legal abrir seu cantinho pro talento alheio.

beijo :*

Erica Maria disse...

Lindo texto viu?

Bela escolha, bjos menina linda!

Carolda disse...

Bonito isso aí de encasular. Gostei.

Felipe Braga disse...

Nunca tinha pensado dessa forma. Gostei. Faz bem.
Beijos.

eve disse...

Todo mundo tem seu dia de borboleta que quer ser lagarta de novo. Beijos linda.

Laura disse...

antes ser uma lagarta roliça e pensativa do que uma borboleta fútil cabeça de vento.

Postar um comentário

Anote aí.