17 de julho de 2009

Garoto...

Eu não devia te dizer, garoto, mas já não sei mais te esconder nada. Tudo que voce me pergunta eu respondo , sincera, porque já desaprendi a fazer diferente. Então, pode rir de mim agora, garoto. Pode jogar tudo na minha cara. Mas é que eu, garoto, estou com ciumes de ti. É, eu sei. Eu não tenho direito nenhum de sentir, nem de cobrar, nem de sequer pensar nisso. Muito menos de escrever. E se um dia eu tive esse privilégio, joguei fora antes de perceber o valor, como quando amasso um papel e só depois descubro o quão útil me era o conteúdo dele. Mas o fato é que, sem direito algum, eu sinto, penso e - pior - escrevo sobre isso. Eu só queria que você soubesse, e que, por obséquio, me perdoasse. Eu devia querer a sua felicidade não é? Independente de qualquer coisa, é isso que eu devia querer. Mas o ciume, garoto, no momento me impede. E eu, mesmo sem poder, fico aflita, e te espero, te gosto, e não posso. Ah, garoto. Tornou-se importante demais. E você, eu confesso, é uma das certezas de que preciso, mas não mereço.
Consegue me perdoar, garoto? Consegue desculpar todas as coisas que eu tenho feito?
Consegue, garoto, continuar perto de mim como sempre...?

6 comentários:

Jéssica disse...

É. Bem queria eu poder dizer isso, também... =/

;**

Felipe Braga disse...

Aline, sempre é tempo de se arrepender e de errar(por que não?). Não sei se erro é a palavra correta, pois nunca achamos que estamos errando, não é mesmo?
Oh, Aline. Fique bem, tá?
Beijos.

Mandy disse...

Ai garoto(s)...

Nasca disse...

perdão? desculpas?
creio que não.

coisa que supera os motivos, as razões, tudo ... teu erro, se existe, é erro bonito, gostar, amar

fique perto você
desculpe tudo que fez
vaaaii :*

Laura disse...

ha minina...se gosta mesmo dele ne?

Maria Fernanda disse...

Mais um texto teu que poderia ser escrito por mim.


Suspiro.

Postar um comentário

Anote aí.