28 de agosto de 2009

Licença

- Esse aí não te conhece os sonhos mais lindos e nem sabe de tuas dores mais profundas. Ele não te conhece os defeitos, não te atura as manias, e tu não sabes se ele vai querer te ouvir. Quem te garante, pequena, que ele será sempre assim contigo? Ele de ti não sabe nem um terço. Ele apenas conhece o que tu mostraste a ele, e nada mais. É isso que queres, menina? Uma incerteza desse tipo? Ah, vamos, não seja tola! Ele nada sabe do que sentes. Ele não lê teus olhos, não te sabe a pele e não te acaricia os cabelos. Ele não serve pra ti! Vais me ouvir agora? Vais desistir disso?

- Essa é a grande magia, meu caro. O amor é isso. Esse não-saber, essa insegurança, esse encher-se de perguntas que não se pode responder. Isso, de querer descobrir os detalhes, de encantar-se por todos eles, um a um, de não conseguir esquecer nunca, de não deixar de pensar nunca. Agora cala-te, e leva essa tua incerteza contigo. Do meu amor cuido eu. E eu vou é ser feliz, sem ter que pedir licença.

2 comentários:

Felipe Braga disse...

E o que seria do amor sem o risco?
Encantador, Aline. Como sempre, aliás.
Parabéns.
Beijos.

Laura disse...

ainda acho loucura....
mas vc que sabe.

Postar um comentário

Anote aí.