2 de outubro de 2009

A garota da fileira ao lado

Eu sempre gostei dela. Desde a quinta série, quando nos conhecemos. Ela sentava na cadeira ao lado da minha. Nós dois tinhamos as melhores notas, mas ela era a boa aluna querida e eu o cdf odiado. Eu nunca dirigi a palavra à ela, e mesmo assim ela sempre foi gentil comigo. Sempre doce. Quando ela me dizia bom dia, eu ignorava, unicamente por não saber o que dizer. E se dizia, respondia mal, e ela ficava triste. Preferia não responder, pois nunca suportei o rosto dela assim, triste. Uma vez eu soube de um namorado que ela tinha, e soube que ele a fazia sofrer. E fiquei mal por ela, quis bater naquele namorado, e quis berrar pra ela que eu é que queria namorá-la, e que eu nunca, nunca, a machuria, nem deixaria nada de mal lhe acontecer... Eu queria protege-la de tudo. Mas me faltou coragem, e eu fiquei só emburrado, na sala de aula, me odiando por ser tão covarde. E ela veio pra perto de mim, e me sorriu aquele sorriso tão lindo que tem, e me perguntou porque eu estava triste. "Estou triste porque voce está" eu pensei, mas nem disse. Gritei pra ela ir embora, e virei o rosto pro lado, pra não ter que olhar aqueles olhos bonitos e saber que o brilho deles não era meu. Ela ficou ainda uns instantes ali, segurou de leve a minha mão e saiu. Quando eu olhei ela já estava distante, conversava com uma amiga. E tinha deixado um bilhete: "Tudo vai ficar bem! ", com um coração desenhado no canto do papel. Ela era tão perfeita...! E eu nunca disse. Acho que ela pensa que eu a odiei, esses anos todos. Ah, se ela pudesse saber de tudo que eu sinto...! Ah, se ela soubesse que esse bilhete eu levo sempre comigo, dobrado com cuidado, guardado na minha carteira... Eu queria ter coragem de dizer a ela que aquele pedaço de papel é o que me dá forças pra superar os dias dificeis... Eu só queria que ela soubesse o quanto é inesquecível.

---

Eu sempre fui apaixonada por ele. Desde que caímos na mesma classe, na quinta série. Ele sempre foi tão inteligente. Achava um charme ele ser tão misterioso... Eu chegava todos os dias, e me preparava pra lhe dar 'bom dia'. Acho que ele nem imagina quantas vezes eu ensaiei meu sorriso no espelho... Ele nunca me respondia, claro. Que interesse ele teria em dizer oi pra mim? Eu nunca fui a mais bonita da sala. Tentei ser a mais inteligente, mas acho que isso não atraia a atenção de ninguem. Eu tentei esquece-lo, sabe? Eu sabia que ele nunca ergueria os olhos pra ver essa garota toda errada que eu sou. Até aceitei um pedido de namoro de um outro garoto, pra tira-lo da minha cabeça. Mas não pude... Eu ficava comparando o garoto com ele, e sempre pensava que se estivesse com ele, eu não estaria sofrendo. Eu sabia que ele era o tipo de pessoa que se importaria em não magoar. Pena que ele não me queria... Uma vez ele estava com uma cara tão triste... Doeu em mim. Me aproximei com um sorriso, perguntei o motivo da tristeza. Ele gritou comigo, me mandou embora. Meu coração ficou apertado..! Ele não confiava em mim. Obviamente me achava intrometida. Mas eu não podia evitar. Queria fazer a dor dele, qualquer que fosse, parar. Ele virou o rosto pra não me olhar. Eu implorei em silencio pra que ele olhasse nos meus olhos e lesse tudo que eu queria dizer e não disse, queria que ele visse que o brilho que eles tinham só existia por ele. Queria lhe contar que meu namoro tinha acabado, e que eu queria que ele gostasse de mim como eu gostava dele. Mas ele não olhou. E meu coração se partiu. Escrevi um bilhete "Tudo vai ficar bem!" e rabisquei um coração. Guardei ali tudo o que eu sentia e não sabia dizer. Toquei a mao dele e me afastei, sorrindo pra esconder a dor de não te-lo comigo. Acho que ele jogou o bilhete fora, sem saber o quanto de amor eu coloquei lá. Eu queria dizer à ele que nunca o esqueci. Mas que eu posso fazer...? Eu sempre fui só a garota da fileira ao lado.

6 comentários:

Gabriela M. disse...

Aline, querida, como esse teu texto me tocou. pena um amor bonito assim não ter acontecido, e por simples medo. é sempre válido a gente escancarar o coração,né?

Fiquei encantadoramente triste com essa história.
Pena também isso não ter se resolvido.

p.s.:
foi um dos teus que mais gostei.
bj bj

André disse...

Indescritivelmente encantador... O encanto é ainda maior quando me pego identificando tantos pontos-chave, e agradecendo por eles terem, ou não, mesmo tendo a oportunidade, tomado parte na minha vida nesses últimos tempos...

Lindo texto, Aline.

=***

Jéssica Trabuco disse...

O interessante é que isso é real sabe?
As vezes por medo deixamos de dizer o que temos dentro do nosso peito e por isso acabamos perdendo a oportunidade de viver um amor bonito.

Escreves bem! =]

Babizinha disse...

Escreveu lindamente!
Em ambos as palavras sutis me fascinaram.
Se indicasse uma música para este, juro, choraria litros. [/sensibilidade a flor da pele]

;*

ℓiiα, ♥ disse...

Ow god... Chorei. Sempre fui chorona pra esses papos de amor. E você escreve tão bem e o texto é tão lindo *-*'

Cada palavra, cada palavrinha.

Erica Maria disse...

Ah......adorei!

Aliás eu sou sua fã né?

Tá lindo, olha amanhã vou te dar algumas sugestões de nome do blog pra vc me ajudar a escolher...

Bjos e te gosto*

Postar um comentário

Anote aí.