20 de novembro de 2009

Micro-contos

Usava um saia que lhe cobria os joelhos, e uma blusa que lhe escondia o colo. Os cabelos havia prendido, discretos, e não havia se maquiado além do comum. Calçava um sapato sem salto, e movia-se de um modo controlado. As unhas em vermelho denunciavam-lhe as reais intenções.

---

Andava só, sempre só. No fim até gostava do eco que os próprios passos faziam no caminho vazio que trilhava. Não era, porém, um homem sem paixões. Era perdidamente apaixonado pela própria solidão.

---

Quando pequena, gostava de ficar doente. Só assim se sentia amada e cuidada. Até por isso, passou a infância tendo saúde frágil. Hoje, já mais velha, de todos os seus males, apenas a carência ainda permanece incurada.

---

-Sai da chuva! - ele disse - Vai acabar ficando doente!
Ela sorriu:
- Não vou sair... Eu gosto da chuva!
Fechou os olhos. Olhou pra cima. As gotas subitamente pararam.
Ele voltara, contrariado, com um guarda-chuva:
- Então eu fico com voce. E com a chuva.
Ela suspirou e o abraçou.
Era amor.

---

Queria ser médica. Ou estilista. Ou professora. Dona de restaurante, bailarina, escritora. Astronauta. Motorista, ou turista, cantora, engenheira. Matemática, física nuclear. Queria ser mãe, e se casar, e ser muito rica, ou só viver em paz. Não conseguiu decidir. Virou atriz, pra viver todas as mulheres que queria ser.

---

Cidade: um mero amontoado de solidões.

---

Era apenas uma mulher, de filhos e de cabelos rebeldes. Casa não tinha. Emprego também não. Nem marido. No fim das contas, nem os filhos eram mesmos seus; suas crianças eram da rua. Meros numeros dentre todos os outros da cidade. Uma lágrima caiu. Sentiu saudades da seca no sertão.

5 comentários:

Ítala disse...

owww!
cara, queria ter esse dom de escrever, parabens
^^


bom fim de semana.
;]

sobrefatalismos disse...

Essa mulher quer ser atriz...

Você amadureceu bastante nos seus textos. Adoro pequenos contos.
Beijos mil!

sobrefatalismos disse...

Essa mulher quer ser atriz...

Você amadureceu bastante nos seus textos. Adoro pequenos contos.
Beijos mil!

Luan disse...

Sabe, Aline, seus contos são quase uma Cherry Girl emocional... Você vai saber quem é a Cherry Girl no blog dela:
http://mtv.uol.com.br/cherrygirl/blog

gabiz disse...

suspirei 7 vezes.

Postar um comentário

Anote aí.