15 de fevereiro de 2011

Desde você

Eu estou com medo. E acho que a primeira vez que eu fico assim desde que essa possibilidade surgiu. Não sei direito como te explico isso. Mas to com medo de deixar um pouco de ser eu, porque foi você que me trouxe pra mim. To com medo de você levar as melhores partes de mim com você, pra bem longe. Esse tempo todo com você me deixou acostumada ao estado de estátudobem. Vai ser a primeira vez, desde você, que eu vou me sentir perdida de novo, e não lembro mais como vai ser. Logo eu, que era tão constantemente quebrada que cheguei a me acostumar à melancolia. É que foi depois de você que eu descobri quem eu era e de quantas mil formas podia ser. Eu desabrochei de mim diante dos seus olhos, em cada toque seu. E a felicidade brotou dos meus poros, como se acordasse depois se um sonho muito frio e muito longo. Eu não recuso nenhum dos clichês que me vêm porque eu não me envergonho da nada do que eu sinto, e não digo nada que não me faça sentido. Com você eu acreditei nas coisas todas de novo. Inclusive em mim. Então não me culpe, meu bem, por estar com medo agora. me assusta essa idéia de que você vá pra tão longe levando com você partes tão importantes de mim (que são suas). E levando todos os seus traços e jeitos e tudo que eu amo tanto (e que é um pouco meu). Eu sinto que vou acabar, de novo, nesse sono gelado, mesmo que ainda seja verão. Eu vou te esperar, como sempre. Até que você volta antecedendo outra vez as flores.


falta muito pra próxima primavera?

3 comentários:

André Felipi disse...

Meus traços e jeitos, que são tão seus, vão estar com você pra sempre. E vamos ser mais juntos do que nunca, princesa.

=*

Nina Vieira disse...

Todo mundo carrega uma metade de nós, um pedaço da gente. E dói.

Sonia Pallone disse...

Que lindo Aline! Vc tem um jeito estiloso de escrever poesia...brinca com as palavras, dança com elas...

Postar um comentário

Anote aí.