29 de março de 2012

anjos

a cara fechada do meu primo aos 4 anos. o sorriso aberto da irmã dele com a mesma idade. os suspiros que meu avô me trazia toda noite. o jeito como a minha mãe organizava três copos de tamanhos diferente na mesa. o 'e aí, sobrinha?' que eu ouço no mesmo tom, desde sempre. campeonatos de videogame - perder pra todo mundo nos jogos de corrida e ganhar de todo mundo nos jogos de luta. o abraço quentinho da japonega mais linda do mundo. um milhão e meio de assuntos pela metade sempre que eu encontro com a amiga de sempre. a saudade que eu sinto dela, que nunca passa, mesmo depois de 8h direto do lado. as mil expressões no rosto e as mil vozes possíveis que a minha amiga-atriz sabe fazer. telefonema de madrugada para me contar que passei no vestibular. o jeito que a japa pula da piada pro assunto sério e nem se dá conta. o sorriso tão lindo e a gargalhada cantada dele. minha yang, que é igual a mim, só que de outra cor. a empatia inexplicável com uma alma-irmã. o tom de voz daquela que ri poesia. os abraços que o poetinha oferece em todas as tristezinhas do caminho. a mão da amiga nas minhas costas quando pergunta ' e hoje, você está bem?'. o modo como a querida não aceita elogios e baixa os olhos pra sorrir olhando pro chão. o telefonema indignado da minha chefe para me defender de quem me trata mal. duzentas e desessete piadas internas espalhadas. sms's. e-mails. 'lê e me diz o que achou'. chaveiros. fotografias no celular. "lembrei de você quando vi isso".

os anjos é que moram nos detalhes.

Um comentário:

Anônimo disse...

...

Postar um comentário

Anote aí.