10 de março de 2012

Eu queria tanto te contar tudo. Sentar diante dos teus olhos e te explicar o tanto que te amo e o tanto que isso tudo me doeu esses anos todos. Te contar das inúmeras vezes em que você me machucou e nem sequer percebeu, mas dizer também que eu te perdoei, sempre e imediatamente, mesmo sem você ter me pedido desculpas. Eu queria te dizer não para te ofender, não para te magoar, nao pra deixar culpa em você. Mas para que a gente possa tentar. Para que nos libertemos dessa fase terrível, dessa relação pesada, difícil e nociva, e possamos recomeçar. Do zero. Sem mágoas nem suas nem minhas. Livres pra fazer diferente daqui por diante. Eu queria muito que você se orgulhasse de mim, de quem eu sou, que entendesse que você é parte disso, mas que lembrasse que o mérito é meu também. Queria te explicar que não acho justo minha vida girar em torno da sua e nem a sua girar em torno da minha. Queria que você se libertasse de mim e voltasse a cuidar de si. Da sua saúde, da sua alegria, do seu coração. E que me deixasse cuidar de mim também. Da minha saúde, da minha alegria e do meu coração. Uma chance para nós duas, para que continuemos juntas mas para que nossos mundos girem em torno de outros eixos também. Eu queria poder contar com você. Não com o seu dinheiro, com seu conselho, com sua bronca. Mas com o seu apoio. Com seu afeto. Com sua compreensao de que eu não sou e nem posso ser perfeita, de que as vezes erro, as vezes grito, as vezes prefiro ficar quieta e sozinha. Eu queria que você me ouvisse. Não como filha, mas como pessoa. Como tão humana quanto você. Mas você se recusa, grita mais alto, me abafa e me faz calar com agressão ou com ofensa. E eu calo. O que doi mais é que eu te amo mais que a mim, e você não nota. Eu te amo mais que ao mundo e não é suficiente para você. Você cobra atitudes que fogem da minha natureza, me exige um espaço e uma retidão com a qual eu não consigo lidar. Não entende que meu amor por voce é diferente, é calado, é pra dentro, mas que ainda assim é imenso e tão bonito... Não entende que quando diz que eu vou te abandonar, a dor aguda que eu sinto no coração é maior que nós duas. Não consegue acreditar que eu vou estar aqui por você mesmo que eu esteja livre e vivendo outra relação além da nossa. Eu queria te abraçar e dizer que te entendo e te amo, sem querer dizer nada mais que isso. Te entendo. Sei que a vida foi difícil, que você teve que ser forte por nós duas. E te amo. Por isso agora eu é que sou forte por nós duas. Por isso preciso tanto ir: pra te mostrar que posso continuar junto mesmo não estando perto. Eu preciso ir pra voce entender que eu posso voltar. Eu queria te dizer e não posso, porque antes da primeira frase chegar ao fim você já estaria gritando. Algo já estaria quebrado na sala ou no meu coração e eu me calaria para tentar salvar o resto. Você não consegue me ouvir, não consegue olhar pra nós duas de fora e perceber o tanto que tá errado. Não consegue ver outra saída que não seja a minha perfeição. Minha obediência cega e total à todas as suas decições. Eu queria dizer e não posso. E se eu não digo ninguém mais diz. E continuo presa, calando, tentando sempre salvar o que ainda resta. Com medo de um dia já não restar nada pra ser salvo.

Um comentário:

Gislãne Gonçalves disse...

As vezes é melhor não tentar salvar, deixar as coisas passarem, pois elas passam!

beijos
:)

Postar um comentário

Anote aí.