27 de abril de 2012

quantas palavras que ela adorava saíram de cartaz?*

apesar dessa minha mania de dizer palavras tão grandes - tudo, sempre, tanto - eu sinto que perco as pequenas doçuras. perco o sorriso que veio de graça, a gentileza muda, o abraço apertado, na cegueira que me impede de ir além do caminho de sempre. o caminho que os meus pés seguem e eu não me dou conta mais. porque eu estou presa nessa rotina. dizendo palavras tão grandes - tudo, sempre, tanto - e vivendo tão pequeno. percebendo as cortesias apenas tempos depois de elas terem acontecido. incapaz de naturalidades e de reações espontâneas. dizendo as palavras grandes - tudo, sempre, tanto - enquanto a minha vida segue feita de afirmações curtas. de pode ser e tanto faz. nada mais me surpreende. fica esse cansaço de tudo. e eu continuo repetindo palavras muito maiores que eu - tudo, sempre, tanto.
-
* Tantas palavras, Chico Buarque

2 comentários:

Flá Costa * disse...

u-a-u. tem como não amar Chico? que coisa mais bonita de se ler... e esse final? "fica esse cansaço de tudo. e eu continuo repetindo palavras muito maiores que eu - tudo, sempre, tanto"....

aff!

beijos

Aline Romero disse...

oi, Flá! to sempre lá no seu blog, lendo escondidinha rs. Bom que gostou. Volte sempre =***

Postar um comentário

Anote aí.